Categorias

Etanol hidratado e anidro: entenda as diferenças
Publicada por Assessoria de Imprensa 06/09/2018

Etanol hidratado e anidro: entenda as diferenças

Etanol hidratado e anidro: entenda as diferenças                                                                           Abastecimento com Etanol.

O consumidor que opta por um combustível renovável e benéfico ao meio ambiente certamente está acostumado a abastecer o seu carro com o etanol hidratado, que é o álcool encontrado na bomba dos postos de abastecimento. Mas nem todos conhecem a diferença entre etanol anidro e hidratado, o etanol anidro, é amplamente utilizado no Brasil, já que a gasolina vendida nos postos contém 27% de mistura do biocombustível. A diferença principal é o teor de água presente no etanol. “Enquanto no etanol hidratado a concentração máxima de água permitida pela lei brasileira é de 7,5% (m/m), no anidro fica em 0,7% (m/m)”, explica o consultor técnico para Especificação e Qualidade da UNICA (União da Indústria de Cana-de-Açúcar), José Luís Godoy.

O processo de retirada da água é fundamental para evitar a separação do etanol e da gasolina dentro do tanque de combustível dos veículos, o que pode comprometer o desempenho e a vida dos motores. No entanto, os dois tipos seguem o mesmo processo de produção até a etapa de fermentação, quando surge primeiro o etanol hidratado e só depois, o anidro.

“O ‘vinho’ é uma mistura de etanol e água, obtida na fase da fermentação dos açúcares, que ainda passa pela destilação para atingir um teor alcoólico máximo da ordem de 96° GL (v/v), que é o etanol hidratado”, diz o especialista. “Como sua concentração não pode ser aumentada apenas pela destilação, a produção do etanol anidro requer ainda mais uma etapa, chamada de desidratação, em que se evapora a água para separá-la do álcool”, complementa.

 

Etanol anidro na gasolina: vantagens

 

O acréscimo de etanol anidro à gasolina produzida no Brasil foi instituído em 1938, pelo Decreto-Lei 737, em porcentagens que deveriam ser acordadas entre o Conselho Nacional do Petróleo (CNP) e o Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), órgãos de governo existentes à época. Até então, o etanol era misturado somente à gasolina importada.

O percentual de anidro ao combustível fóssil sofreu alterações com o passar dos anos. Hoje, a mistura é de 27% na gasolina comum e de 25%, na premium, conforme determina a Portaria nº 75 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), de 5 de março de 2015. A principal vantagem ambiental de adicionar álcool à gasolina é a redução da emissão de gases de efeito estufa, explica o professor e chefe da Divisão de Motores e Veículos do Instituto Mauá de Tecnologia, Renato Romio. Além de reduzir a poluição atmosférica e o aquecimento global, a adição de etanol à gasolina contribui para geração de empregos no Brasil e diminui a dependência do combustível fóssil importado, já que a produção de gasolina no país é insuficiente para toda a demanda.

Outro grande benefício é que o etanol aumenta o índice de octanagem da gasolina comum, o que é melhora o desempenho do motor. “Essa função foi exercida durante muito tempo pelo chumbo tetraetila. Porém, descobriu-se que essa substância química é poluente e cancerígena, e ela foi sendo substituída pelo etanol anidro, que é limpo e inofensivo”, afirma Romio, que também é presidente do Conselho da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA).

Leia também: Como é produzido o Etanol?

Últimas notícias

14/11/2019
Como o açúcar chegou ao Brasil
O açúcar nasceu na Ásia no século 5, atravessou continentes, já foi artigo de luxo na Europa e chegou ao Brasil no século 16, onde,... ver mais
15/10/2019
Etanol: consumo aquecido e produção recorde
A demanda por etanol hidratado segue aquecida neste Ano Safra 2019/2020, que teve início em abril, motivada pelo preço do combustível, que está mais atrativo... ver mais
27/09/2019
Mais qualidade de vida com o uso do etanol
Em 19 de setembro, o Brasil comemorou 40 anos da assinatura do Protocolo entre o Governo Federal e a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos... ver mais
04/09/2019
Energia de valor: vida longa ao etanol!
“Hoje, o etanol tem seu valor reconhecido e deve permanecer em nossa matriz energética por um bom tempo, já que é uma energia absolutamente limpa... ver mais
19/08/2019
O caminho do açúcar: o produto chega ao cliente
Encerramos a série de três reportagens sobre a trajetória do açúcar falando um pouco mais sobre o cliente? Após criteriosos processos de produção e logística,... ver mais
05/08/2019
O caminho do açúcar: logística conecta o campo ao mundo
Na segunda reportagem da série especial sobre o caminho que o açúcar percorre desde que deixa o campo até ganhar o mundo, abordaremos a comercialização... ver mais
24/07/2019
Do campo ao consumidor: o caminho do nosso açúcar
O caminho percorrido pelo mais doce dos insumos, desde o canavial até o cliente, é mais complexo do que parece. É por isso que vamos... ver mais
27/06/2019
RenovaBio: menos poluentes, mais investimentos para o setor agrícola
Aumento de demanda por biocombustíveis deve aumentar produtividade agrícola e atrair mais investimentos para setor de etanol ver mais