Categorias

Publicada por Assessoria de Imprensa 27/06/2019

RenovaBio: menos poluentes, mais investimentos para o setor agrícola

Informações presentes em relatório do Sistema de Estimativas de Emissões de Gases de Efeito Estufa (SEEG),   com dados de 1990 até 2017, demonstram que o transporte é o principal emissor de CO2 do setor energético no Brasil, com 209 milhões de toneladas de emissões, o que representa 48% do total. Para contribuir com a mudança desse cenário, surgiu o programa RenovaBio, que busca conciliar segurança energética e redução de emissões de gases causadores do efeito estufa, em linha com a estratégia de negócio da Copersucar e de suas Usinas Sócias. Lançado em dezembro de 2016 e transformado em lei no final de 2017, o RenovaBio é uma iniciativa do Governo Federal para estimular a produção de biocombustíveis no país a partir de um mercado de títulos (créditos de descarbonização – CBio), gerados com base na Nota de Eficiência Energético-Ambiental das usinas.

A previsão é que o mercado de títulos comece a vigorar em janeiro de 2020. Para que as suas 35 Usinas Sócias estejam certificadas e preparadas para gerar créditos, a Copersucar tem realizado uma série de treinamentos.

Certificação e RenovaCalc

Certificação é o processo que verifica a correção dos dados técnicos dos processos de produção de cana e de produção industrial do biocombustível que alimentam a RenovaCalc.

A RenovaCalc é a ferramenta que calcula a intensidade de carbono do biocombustível (em g CO2eq/MJ), comprovando o bom desempenho energético e ambiental das usinas participantes do RenovaBio.

Para calcular a Intensidade de Carbono (IC) do biocombustível, a ferramenta usa como base a Avaliação de Ciclo de Vida (ACV), combinando informações técnicas sobre os processos produtivos, com dados da pegada de carbono e fatores de emissão de cada item utilizado na fabricação do biocombustível. O cálculo da diferença em relação à IC do combustível fóssil equivalente resulta na Nota de Eficiência Energético-Ambiental, que, combinada ao volume de biocombustível produzido, permite a emissão de CBio.

“Além de ser de fácil operação para estimular o ingresso de produtores de biocombustíveis no RenovaBio, uma vez que a entrada é voluntária, a ferramenta é versátil, pois é aplicável a qualquer tipo de biocombustível e oferece capacidade de discriminação para bonificar as usinas que investirem em melhorias de desempenho técnico e ambiental”, comenta a pesquisadora da Embrapa Marília Folegatti, que coordena o grupo técnico de Avaliação de Ciclo de Vida (ACV) do RenovaBio.

As usinas que querem participar do RenovaBio devem preencher a RenovaCalc e a auditar os seus dados. Com base na Nota de Eficiência Energético-Ambiental e no volume de etanol produzido pelas usinas (a ser comprovado por nota fiscal), serão gerados os CBio, que podem ser comercializados com as distribuidoras.

Metas do RenovaBio em consulta pública

A Agência Nacional do Petróleo (ANP) realizou consulta e audiência, entre março e abril, para discussão da proposta de metas individuais do RenovaBio para distribuidoras de combustíveis. Com base nas contribuições feitas pela sociedade, o corpo técnico da ANP está consolidando o texto de uma nova resolução, que precisa ser publicada até 1º de julho, em atendimento a prazo definido pelo Decreto nº 9.308/2018.

As metas individuais de emissões devem ser proporcionais à participação de cada distribuidora no mercado de combustíveis fósseis no ano anterior, tendo por referência a meta anual nacional fixada pelo Conselho Nacional de Política Energética (CNPE). As metas individuais serão estabelecidas com base em unidades de CBio, um título a ser negociado a mercado, que será emitido pelas usinas e adquirido pelas distribuidoras. Cada CBio significa uma tonelada de gás carbônico a menos na atmosfera.

Últimas notícias

13/02/2020
Etanol: a transformação da cana-de-açúcar em combustível
Nesta reportagem, você irá conhecer o processo de produção do etanol, desde a lavoura até a transformação da cana-de-açúcar no biocombustível, que, hoje, faz do... ver mais
31/01/2020
A história do Porto de Santos começa com o açúcar
O Porto de Santos, até hoje o maior polo marítimo exportador de açúcar do país, foi criado para escoar a produção de açúcar, no início... ver mais
23/01/2020
Engenho dos Erasmos: marco histórico aberto a visitas guiadas
Na quarta reportagem da série sobre a história do açúcar no Brasil, você irá conhecer um pouco mais sobre a importância do Engenho dos Erasmos... ver mais
09/01/2020
A civilização do açúcar: características singulares estruturam as políticas no Brasil
Aqui continuamos a série sobre a história do açúcar no Brasil (leia as reportagens anteriores acessando os links no fim do texto). No Nordeste, a... ver mais
18/12/2019
Açúcar traça o caminho para a formação da sociedade brasileira atual
Nesta série sobre a história do açúcar no Brasil, já mostramos como ele chegou ao país. Agora, vamos contar um pouco mais sobre como o... ver mais
14/11/2019
Como o açúcar chegou ao Brasil
O açúcar nasceu na Ásia no século 5, atravessou continentes, já foi artigo de luxo na Europa e chegou ao Brasil no século 16, onde,... ver mais
15/10/2019
Etanol: consumo aquecido e produção recorde
A demanda por etanol hidratado segue aquecida neste Ano Safra 2019/2020, que teve início em abril, motivada pelo preço do combustível, que está mais atrativo... ver mais
27/09/2019
Mais qualidade de vida com o uso do etanol
Em 19 de setembro, o Brasil comemorou 40 anos da assinatura do Protocolo entre o Governo Federal e a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos... ver mais