Categorias

Publicada por Assessoria de Imprensa 16/10/2018

Etanol: mitos e verdades sobre abastecer com o biocombustível

Especialista responde sobre o uso do combustível etanol e sua relação com o desempenho do motor

O ano de 1979 foi marcado pelo lançamento dos primeiros veículos  movidos 100% a etanol, conhecido popularmente como álcool, no Brasil. Anos depois, na década de 1990, a tecnologia flex fuel entrou em fase de testes, mas o primeiro modelo foi comercializado ao público somente em 2003: o Gol Power 1.6 Total Flex. Atualmente, os carros flex já são maioria no país e a frota até 2017 chegava a 28 milhões de veículos.

Embora capazes de funcionar tanto com etanol quanto com gasolina, misturados em qualquer proporção, há muitas vantagens na utilização do biocombustível de cana-de-açúcar, pois é uma opção limpa, renovável e sustentável. Ainda assim, existem muitos mitos que causam dúvidas nos motoristas, especialmente os relacionados ao desempenho do motor movido a etanol.
“Em geral, as pessoas atentam apenas para o preço, mas outros fatores devem ser levados em conta”, observa o professor e chefe da Divisão de Motores e Veículos do Instituto Mauá de Tecnologia, Renato Romio. “Principalmente, no que diz respeito à emissão de gases de efeito estufa, que é muito menor do que a proveniente de combustível fóssil”, complementa ele, que também é presidente do Conselho da Associação Brasileira de Engenharia Automotiva (AEA). Romio esclarece alguns mitos e verdades sobre a utilização de etanol nos veículos.

O motor do carro fica mais potente com etanol.

Verdade. O aumento de potência é resultado da combustão mais eficiente, que, por sua vez, relaciona-se às maior octanagem e velocidade de queima. O motor com etanol pode operar com taxa de compressão maior. “Vale ressaltar que isso acontece de modo geral, mas alguns fabricantes de veículos tentam manter a mesma potência, o que ocasiona perda de rendimento”, ressalta o professor.

Abastecer com Etanol prejudica o motor.

Mito. De acordo com Romio, nenhuma peça do motor sofre prejuízos com o uso do biocombustível. “Os motores passam por testes de durabilidade com etanol nas montadoras”, reforça. “No início, havia alguns problemas de corrosão, o carro demorava mais para pegar. Mesmo assim, os veículos a etanol chegaram a representar 96% da frota naquela época. Atualmente, os modelos flex não apresentam esses inconvenientes”.

O rendimento do etanol é menor que o da gasolina.

Verdade. Porém, estudo realizado pelo Instituto Mauá de Tecnologia com apoio da União da Indústria de Cana-de-Açúcar (UNICA) apontou que o etanol pode render até 75,4% em relação à gasolina, número mais alto que os 70% utilizados como padrão pelo mercado. O rendimento ainda varia de acordo com as condições de manutenção do carro, a forma como o motorista dirige e o trajeto utilizado, além de outros fatores.

Abastecer com etanol prejudica o motor flex. É preciso intercalar com a gasolina.

Mito. Não é necessário, pois o motor flex foi feito para trabalhar com o biocombustível. “O veículo pode ficar a vida inteira rodando somente com etanol”, afirma o especialista.

O etanol mantém o motor mais limpo do que a gasolina.

Verdade. O etanol provoca menos depósitos de sujeira nos bicos injetores e, consequentemente, mantém o motor mais limpo. “Ao contrário da gasolina comum, o etanol mantém o motor por mais tempo em condição similar à de veículos novos”, diz Romio.

Em temperaturas muito baixas, o carro abastecido com etanol tem dificuldade de funcionar.

Mito. De acordo com o professor, o carro consegue funcionar mesmo em condições mais frias, pois todo veículo flex ou movido a etanol tem um sistema de partida a frio. “Antes, era um tanquinho de gasolina, que era injetada durante a partida. Atualmente, são sistemas que aquecem o etanol próximo ao bico injetor”, explica. E completa: “Algumas pessoas gostam de colocar um pouco de gasolina misturada no etanol, pois acham que facilita o funcionamento, mas não há necessidade”.

 

Leia também: Etanol hidratado e anidro: entenda as diferenças

Últimas notícias

31/03/2020
Usina Caçu: primeira flex certificada no RenovaBio
A versatilidade é uma característica que aparece em vários setores do mercado brasileiro. A Usina Caçu, em Vicentinópolis (GO), é um exemplo. No dia 13... ver mais
26/03/2020
Copersucar e usinas associadas doam álcool 70% para combate ao coronavírus
Como forma de apoiar o combate ao novo coronavírus (COVID -19), a Copersucar e suas usinas sócias dedicaram parte da sua estrutura para a produção... ver mais
12/03/2020
Copersucar quer escriturar seus CBios
Um passo importante para o avanço da Copersucar no Programa RenovaBio foi dado nesta quarta-feira (11), com a assinatura de um contrato simbólico com o... ver mais
03/03/2020
Etanol: a logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar
Na reportagem anterior, mostramos o processo de produção do etanol; agora, iremos apresentar a sofisticada logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar para abastecer os... ver mais
13/02/2020
Etanol: a transformação da cana-de-açúcar em combustível
Nesta reportagem, você irá conhecer o processo de produção do etanol, desde a lavoura até a transformação da cana-de-açúcar no biocombustível, que, hoje, faz do... ver mais
31/01/2020
A história do Porto de Santos começa com o açúcar
O Porto de Santos, até hoje o maior polo marítimo exportador de açúcar do país, foi criado para escoar a produção de açúcar, no início... ver mais
23/01/2020
Engenho dos Erasmos: marco histórico aberto a visitas guiadas
Na quarta reportagem da série sobre a história do açúcar no Brasil, você irá conhecer um pouco mais sobre a importância do Engenho dos Erasmos... ver mais
09/01/2020
A civilização do açúcar: características singulares estruturam as políticas no Brasil
Aqui continuamos a série sobre a história do açúcar no Brasil (leia as reportagens anteriores acessando os links no fim do texto). No Nordeste, a... ver mais