Categorias

Publicada por Assessoria de Imprensa 06/12/2017

Proálcool: o momento em que o Brasil começou a valorizar energias renováveis

Petróleo em alta, quase todos os carros do País só utilizam a gasolina, combustíveis sob racionamento e preocupação com a crescente poluição atmosférica. O ano era 1975 e este era o cenário que estimulou a criação, pelo decreto 76.593/75, do Programa Nacional do Álcool, conhecido como Proálcool, abrindo um novo horizonte para a matriz energética do Brasil.

A Copersucar, na época a Cooperativa de Produtores de Cana-de-Açúcar, Açúcar e Álcool e responsável por mais de 50% da produção nacional, desempenhou papel fundamental na criação do programa. Em conjunto com a indústria automobilística e o governo, apoiou a pesquisa e o desenvolvimento de um novo produto, o etanol, mas ainda popularmente conhecido como álcool. A clássica campanha de divulgação “Carro a álcool: você ainda vai ter um” começou com a Copersucar.

Na crise do petróleo, uma nova oportunidade

Tudo começou com a decisão da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) de supervalorizar o preço do barril de petróleo (aumento de 300% em 5 meses) pelo apoio dado pelos EUA a Israel na Guerra de Yom Kippur, no Oriente Médio, em 1973.

O impacto aqui foi mais uma crise econômica, em meio ao clima do “Milagre Econômico”: o preço do barril saltou de US$ 2,5 em 1973 para US$ 34,4 em 1981, o que fez com que o desembolso com a importação para o Brasil fosse de US$ 0,6 bilhão para US$ 10,6 bilhões (e representando 57% do total gasto apenas naquele ano de 1981). Somado o período, foram cerca de US$ 52 bilhões em importação, bem próximo ao crescimento da dívida externa acumulada neste intervalo – em torno de US$ 60 bilhões. Com isso, os postos não abriam aos finais de semana e a cada aumento anunciado, longas filas se formavam à espera do abastecimento.

A primeira fase do Proálcool fez com que o etanol anidro, aquele que é misturado à gasolina, fosse utilizado como uma solução ambiental, como aditivo substituto ao chumbo tetraetila, que também era importado e altamente poluidor. Depois, chegou às bombas o álcool hidratado, que permitiu que o primeiro carro totalmente movido pelo biocombustível chegasse ao mercado em 1979 (o Fiat 147), depois do pioneirismo do Ford T no início do Século XX.

Todas as montadoras nacionais passaram a produzir modelos movidos exclusivamente a álcool, e seis anos depois (1985), eles chegaram ao pico de representarem 96% das vendas de carros. Estimava-se que a economia para o consumidor era de 59% do preço da gasolina, os impostos eram menores e o preço do veículo também era mais baixo, em relação ao movido por combustível fóssil.

Benefícios muito além do preço

A queda do preço internacional do petróleo e o aumento da produção nacional pela Petrobrás, entre outros fatores geopolíticos, fizeram com que o programa entrasse em declínio nos anos 1990. Os benefícios do Proálcool, por outro lado, são permanentes: a melhoria nas condições ambientais e a melhor flexibilidade na produção de açúcar. O programa ainda atuou de maneira significativa na geração de emprego e na manutenção da massa salarial, gerando cerca de 700 mil empregos diretos só entre os anos 1987/88.

O Proálcool também permitiu a evolução dos projetos e da tecnologia que culminaram nos carros com motor flex, lançado em 2003, e que podem ser ampliados agora, com a implementação do RenovaBio.

Com o novo programa, mais consistente e duradouro, o País terá metas de descarbonização para as distribuidoras, e emissão de créditos de carbono (CBios) pelos produtores de biocombustíveis. É um novo modelo, que incentiva a busca de eficiência na produção e a redução de emissões, valorizando os combustíveis de menor intensidade carbônica, presentes na vida dos brasileiros com o etanol hidratado.

LEMBRETES DO PROÁLCOOL

Campanha publicitária promovida pela Copersucar nos anos 1980

Atenção. Os postos vão fechar às 20 horas.
Não se esqueça. A menos que você tenha carro a álcool.
Carro a álcool. Você ainda vai ter um.

O Brasil tem lindas praias e lindas montanhas.
E álcool à vontade nos fins de semana. Aproveite.
Carro a álcool. Você ainda vai ter um.

Tags: , , ,
6+

Últimas notícias

31/03/2020
Usina Caçu: primeira flex certificada no RenovaBio
A versatilidade é uma característica que aparece em vários setores do mercado brasileiro. A Usina Caçu, em Vicentinópolis (GO), é um exemplo. No dia 13... ver mais
26/03/2020
Copersucar e usinas associadas doam álcool 70% para combate ao coronavírus
Como forma de apoiar o combate ao novo coronavírus (COVID -19), a Copersucar e suas usinas sócias dedicaram parte da sua estrutura para a produção... ver mais
12/03/2020
Copersucar quer escriturar seus CBios
Um passo importante para o avanço da Copersucar no Programa RenovaBio foi dado nesta quarta-feira (11), com a assinatura de um contrato simbólico com o... ver mais
03/03/2020
Etanol: a logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar
Na reportagem anterior, mostramos o processo de produção do etanol; agora, iremos apresentar a sofisticada logística de distribuição do biocombustível de cana-de-açúcar para abastecer os... ver mais
13/02/2020
Etanol: a transformação da cana-de-açúcar em combustível
Nesta reportagem, você irá conhecer o processo de produção do etanol, desde a lavoura até a transformação da cana-de-açúcar no biocombustível, que, hoje, faz do... ver mais
31/01/2020
A história do Porto de Santos começa com o açúcar
O Porto de Santos, até hoje o maior polo marítimo exportador de açúcar do país, foi criado para escoar a produção de açúcar, no início... ver mais
23/01/2020
Engenho dos Erasmos: marco histórico aberto a visitas guiadas
Na quarta reportagem da série sobre a história do açúcar no Brasil, você irá conhecer um pouco mais sobre a importância do Engenho dos Erasmos... ver mais
09/01/2020
A civilização do açúcar: características singulares estruturam as políticas no Brasil
Aqui continuamos a série sobre a história do açúcar no Brasil (leia as reportagens anteriores acessando os links no fim do texto). No Nordeste, a... ver mais